sábado, 6 de dezembro de 2008

Material de Apoio - Arquearia V

Material de Apoio - Arquearia
por Julioz

Besta II

Besta Pequena

Utilizada como uma antecessora da pistola de pólvora, foi projetada para medir a distância do antebraço de seu portador, tendo como fator marcante a possibilidade de ser ocultada facilmente. As duas hastes laterais, aonde a corda era presa, fechavam-se, possibilitando à besta ser escondida em mangas ou mantos. Mas só sendo possivel transporta-la descarregada.

Atingia altos preços no mercado graças a qualidade empregada nas peças, que tinham tamanho reduzido e a mesma potência de um exemplar maior. Sua munição era também, especialmente pequena, portanto mais cara. Sua recarga era executada sem alavanca, com o uso de uma das mãos. (o uso de luvas era obrigatório) Podia ser anexada ao antebraço, por fivelas na altura do pulso e um pouco abaixo do cotovelo. Nessa forma, o gatilho ficava na parte superior da coronha, sendo acionado com o braço livre.

Existem poucos registros sobre tal peça, mas estes afirmam que era usada quase que exclusivamente por assassinos.


Besta Média ou Comum

A segunda variação, tida como média, foi usada mais amplamente, tanto na caça, por nobres e camponeses, quanto por milicianos e autoridades da lei nas cidades medievais. Empunhava-se com as duas mãos, tanto para mira quanto para a recarga.

Uma besta tinha ser rapida ou potente, mas nunca as duas coisas ao mesmo tempo. A média, tentava ser o equilibrio entre as duas coisas. Tinha um bom alcançe, e em comparação a grande, podia ser recarregada mais rapidamente. Existiam versões a manivela (será explicada melhor em “Bestas Grandes”) e as simples.


As simples, eram versões sem manivela, ou acionadas por puxada. Nesse esquema, um pequeno arco de ferro ficava na parte da frente da coronha, onde o besteiro teria de colocar um dos pés para prender a arma ao solo. Em seguida, com uma ou duas das mãos, deveria segurar a corda e a puxa-la para cima, na direção contraria, até parte traseira da coronha. As pulseiras com ganchos eram utilizadas para esse tipo de arma, mais exigiam alguma pratica, tornando as luvas a opção tradicionalmente adotada.

Observações:

A munição só devia ser colocada na besta, após a corda estar presa pelo gatilho, e a arma nunca deveria ser disparada sem setas, com o risco de rompimento da corda, ou mesmo a quebra das hastes que a seguravam.

2 comentários:

Dija Darkdija disse...

Mil esquemas, hein. Então o troço era tão potente que se atirasse sem munição quebrava? Caramba...

João Brasil disse...

Que bom que tem gostado do material.... essas postagens sobre arquearia estão sendo revisados e postados novamente.... Procure na página "Material de Apoio", logo abaixo do título do blog....

Abração!