sábado, 6 de fevereiro de 2016

Material de Apoio: Curso de Heráldica IV


As Peles (Furs)
Desde o início da história do homem um dos principais materiais utilizados para a proteção contra o frio e a intempérie foram as peles. Na Europa, com suas baixas temperaturas em parte do ano, isso foi uma constante. Não por menos que esse elemento acabou ganhando seu espaço na representação de armas de muitos cavaleiros e reinos. Originalmente as peles eram apenas duas – arminho (ermine) e veiro (vair) – mas foram acrescidas, ao longo do tempo, muitas outras.


Existem duas interpretações para o uso das peles, principalmente do arminho. A primeira seria uma lenda européia segundo a qual os arminhos seriam animais extremamente limpos e, se fossem encurralados, onde a única forma de escapar fosse por um caminho que sujasse a sua pelagem, eles prefeririam ser mortos. Isso era interpretado como alguém que preferia a morte a ter seu nome e posição manchados. A outra explicação viria de uma interpretação um pouco mais realista. Segundo ela as peles desses roedores eram muito mais caras e representativas de riqueza e status (diferente de peles de animais maiores). Essa segunda versão também era corroborada pelo fato de a maioria dos mantos e vestimentas reais serem forradas por essas peles, além de que os próprios escudos de batalha das pessoas mais abastadas serem forrados com peles. De qualquer forma as peles acharam seu lugar dentro da construção dos brasões.


As peles são padrões regulas que representam uma pele real. Originalmente o nome é furs (do francês fourrures). Elas podem estar em qualquer charge (campo e o escudo – veremos a diferença em postagens posteriores). Cada uma dessas duas principais peles – arminho e veiro – deram origem à uma séries de outras. A representação das peles e seu devido nome pode ser confuso se não nos atentarmos aos seus elementos. Tudo está centrado em posição, cor ou formato.

1. Ermine (Arminho)
Essas são as mais tradicionais e as mais usadas peles da heráldica. Os arminhos são roedores semelhantes às doninhas com uma pelagem extremamente branca e com a ponte de sua cauda preta. Na heráldica as peles são representadas de forma estilizada representando o animal à que pertence. No caso dos arminhos a representação clássica é feita pela Mosqueta (também chamada de spot). Esse termo representa a junção da pegada do arminho e sua cauda negra, mas ao longo do tempo ela acabou recebendo uma grande variação de representações.


A pele Ermine (o arminho, propriamente dito) é representado por um escudo argento com mosquetas de esmalte preto. Um adendo sobre a nomenclatura em heráldica. Quando formos nomear um elemento que possui pele, primeiramente descrevemos a tintura do escudo (metal ou esmalte) e depois a coloração da mosqueta e sua posição/distribuição, se isso for possível ou relevante. Mas essa designação verbal da pele não é uma regra exata já que há diferenças entre a forma de se fazer isso entre a França e a Inglaterra principalmente. Sempre que vermos essa configuração (não importando a quantidade de mosquetas), sempre será a pele Ermine.


Os exemplos de brasões e escudos com o Ermine não são poucos. Abaixo veja alguns exemplos: escudos de Robert de Tattershall, Walter de Huntercombe e o escudo de Roger Mortimer. Lord de Chirk (um belo exemplo de escudo dentro de um campo), todos eles participantes da Batalha de Falkirk, pela primeira guerra de independência da Escócia, em 1298.



Outra informação é que, da mesma forma que os metais, esmaltes e manchas, as peles também ganharam uma representação gráfica para um entendimento quando não eram utilizadas cores. O Ermite é representado por triângulos com uma base côncava angulada na exata posição em que estão dispostas as mosquetas no escudo.

1.1 Ermines
O Ermines (também chamado de contra-arminho na França principalmente) é o inverso do Arminho. Nele temos o escudo de esmalte negro (sable) com mosquetas argentas.


Abaixo temos três exemplos bem claros do uso da pele Ermines. O primeiro é o brasão de Thomas Edward (1620), o segundo é de Bradwardine, do arcebispo de Canterbury (1349) alternando linhas de Ermine e Ermines, e, por fim, o escudo da Casa Varner (sul da Inglaterra).



1.2 Erminois
O Erminois (também chamado de arminho d’ouro) possui um escudo em ouro com mosquetas em esmalte negro (sable).



Abaixo temos três exemplos do uso do erminois em escudos. Primeiro temos o brasão de Sir Robert Neal Enrick, seguidoduas variações do escudo de Sir James Baulfour (1803) e depois temos o escudo do Capitão da marinha escocesa Edmund Percy Fenwick (1910). 24a - erminois - robert_neal_enrick_coat_of_arms_s



1.3 Pean
O Pean (originado no francês antigo pannes e também chamado de contra-arminho d’ouro) possui o escudo negro (sable) com mosquetas em ouro. Seu uso é muito raro.


1.4 Erminites
O Erminites é uma variação muito rara de arminho. Alguns estudiosos clássicos colocam que esta pele seria igual ao arminho, mas com a marca das patas em esmalte vermelho. Mas muitos estudiosos acabam classificando esta pela como qualquer arminho que tenha a mosqueta com diferentes cores. Duas pequenas variações são descritas em uma obra de John Guile onde numa delas temos apenas um contorno vermelho na cauda da mosqueta enquanto na outra temos alternação de mosquetas pretas e vermelhas em um escudo argento. Exemplos são apenas descritos.


2. Vair (Veiros)
Esta é a segunda pele mais comum nos brasões, representada de forma ainda mais estilizada, a pelagem de uma espécie de esquilo das regiões geladas, que possui uma coloração azulada em suas costas e a cor branca na barriga. Durante a Idade Média os mantos eram forrados com as peles desse esquilo de forma alternada, lado a lado, cinza-azulado ao lado de branco. Por esse motivo que a estilização ficou com a configuração apresentada. Essa disposição das peles costuradas também deram o nome ‘veiro’, que vem do latim ‘de variis coloribus’, que significa ‘de cor variada’, passando para o francês ‘vair’ e espanhol ‘vero’, e chegando ao português ‘veiro’.

As imagens estilizadas são formadas por peças dispostas horizontalmente. Essas peças têm a forma de uma campânula (vaso de vidro ou metal em forma de sino ou mesmo o topo de uma capela). Devido à cor da pelagem do animal a cor básica do veiro é uma peça em azul, seguido de seu inverso em metal argento. O autor Fox-Davies é mais enfático dizendo que o “veiro sempre é azul” (Heraldry: an enciclopaedia of armory, 1904, p. 51) e que se usarmos o termo veiro não será necessário especificar a cor. Quando temos a campânula com outra cor de esmalte, dizemos que o mesmo está ‘veirado’ Por exemplo, se as cores fossem ouro e vermelho (um exemplo usado por Parker em seu Glossary” sob o escudo de Roger Holthouse) diríamos que a peça estaria ‘veirada de ouro e vermelho’ ou, segundo Fox-Davies, teríamos que dizer “veiro ouro e veiro vermelho. É importante salientar que o veiro deve sempre ocorrer entre um esmalte e um metal, nunca podendo deixar lado a lado dois esmaltes ou dois metais.


Não existe um tamanho ou número fixo de linhas de veiros que um escudo deve ter, mas há distinções na Europa. Na Inglaterra os veiros não são diferenciados por seu tamanho, ficando ao gosto do artista suas dimensões, não havendo influência em sua nomenclatura. Mas na França isso é diferente, possuindo três nomes específicos conforme a dimensão aproximada da campânula ou quantidade de ‘linhas’ de veiros. O Veiro em si seria o de um tamanho médio e dispondo-se em quatro linhas; aqueles com uma forma mais larga e dispondo-se em três linhas é chamado de Beffroi (ou Gross Vair); e se ele for menor (metade do tamanho normal), ocupando seis linhas, é chamado de Menu-vair.

Abaixo temos três exemplos do uso do Vair. No primeiro, o exemplo mais representativo, todo em vair, com o escudo de Sir Gerard de Condreville, seguido do escudo de Sir Richard Fitz John, Lord de Shere, e do escudo de Marie de Coucy, filha de Enguerrand III.


O próprio Veiro e as três classificações abaixo são relacionados segundo alguns autores apenas com metal argento e esmalte azul.

2.1 Countervair
O Contervair (em português Contra-veiro) designa o veiro postado em forma de pares unidos por seus topos e por suas bases, formando colunas de mesmas texturas, principalmente argentas e azuis. Como exemplo temos o escudo de Brotier (França).


2.2 Vair in Pale
O Vair in Pale (em português Veiro em Pala) ocorre quando a ponta da campânula encontra-se com o centro da base de outra campânula de mesma textura, argenta em sentido descendente e a azul em sentido ascendente. Um ótimo exemplo é o brasão de Sir Anthony Woodville, o Segundo Conde de Rivers.

 

2.3 Vair in Pointe
O Vair in Point (em português Veiro em Ponta) Designação criada e catalogada por Nisbet, ele ocorre quando a ponta de uma campânula encontra-se com o centro da base de uma campânula de textura diferente. Como exemplo temos o escudo da família Durrant.


Existem ainda outras duas formas ainda mais raras – o Alternate Vair e o Vair of Four. No primeiro nós temos metade de cada campânula com uma textura, alternando metal e esmalte. No segundo nós temos a utilização de quatro texturas no escudo – dois metais (argenta e ouro) e dois esmaltes (vermelho e preto).


As quatro designações principais apresentadas acima, como já dito, são condicionadas pela maioria dos autores nas texturas argenta e azul. Quando utilizados com as texturas ouro e vermelho há uma variação na nomenclatura para Vairy, Countervairy, Vairy in Pale e Vairy in Pointe. As disposições são as mesmas, tendo variação única e exclusivamente no uso das texturas.

 

O Veiro possui uma forma antiga onde a linha de campânulas era representada por ondas. Seu uso remonta ao século XI e XII. Em alguns casos ele perdurou, mas sem ser reproduzido após a adoção do campânula como a apresentamos anteriormente. Sua nomenclatura e subdivisões é a mesma, apenas acrescentando o termo ‘onda’ – Veiro em onda, Contra-veiro em onda, Veiro em pala em onda e veiro em ponta em onda.

Na obra “Treatise on Heraldry”, de Woodward, são apresentadas outras duas variações raras para o veiro que ocorrem na heráldica italiana e francesa principalmente – Plumeté e Papelonné (Papelonne, em italiano). O Plumeté, como o nome já sugere, apresenta-se no escudo como plumas (penas) estilizadas e sobrepostas. Não há uma regra específica para o uso de texturas nesta variação. Por exemplo o escudo da família Soldonieri di Udini tem o plumeté in natura (ou seja, argento), enquanto o da família Tenremonde é ouro e preto e o da família Mydlam in Coverdale é em ouro e púrpura. A nomenclatura do plumeté começa sempre pelo metal.


O Papelonné, um pouco mais comum dentre os dois, é composto pelo que é chamado de ‘escalas’ (formas arredondadas e sobrepostas em sua parte superior) também conhecidas por ‘asas de borboleta’. A nomenclatura do papelonné designa primeiramente a textura do papelonné em si, e depois de sua borda, se esta existir. O brasão de Maison de Châteaubriant, cujo papelonné possui borda, é dito como Papelonné de vermelho (a peça em si) e ouro (sua borda). Quando há duas texturas para o papelonné começa-se nomeando a que estiver mais acima ou aquela que estiver em maior número de linhas. Abaixo temos o escudo das famílias Fouilleuse, Maison Du Châtoaubriant, das vilas francesas de Kervignac e Fénay.



A heráldica britânica classifica outra variação de Veiro – o Potent. O Potent (ou Pontenty) possui um elemento na forma de um “T” chamado de ‘potenty’ (também chamada de cross potent). Na idade média era associado ao formato de uma muleta (‘crutch’). Pouco se sabe sobre a sua origem, mas alguns estudiosos acreditam que seja apenas o resultado de um Veiro mal desenhado. O Potent em si tem a disposição de potentys argento e azul, onde o potenty azul está de pé (superfície horizontal em cima e vertical abaixo) e o pontenty argento está ‘virado’ (superfície horizontal abaixo e vertical para cima), com o encontro de ambas as superfícies horizontais e verticais.


Há quatro outras classificações para o Potent conforme a posição dos potentys. A designação Potent counter-potent é usada quando há inversão das texturas do Potent, ficando o argento em posição de ‘T’ e o azul em posição invertida. O Counter-potent é designado quando os potentys azuis e argentos se encontram com os pares de mesma cor, base com base. O Potent in Pale é utilizado quando os potentys azuis são dispostos um sobre o outro em posição de ‘T’ e os potentys argentos são dispostos um sobre o outro em posição de ‘T’ invertido. Por fim, o Potent em Point é designado quando cada coluna é composta por Potentys de cores alternadas, estando em uma linha em posição de ‘T’ e na outra em posição ‘T’ invertido.




Nenhum comentário: